Assunto: Cialis, Levitra, Viagra

Cialis:
Uma nova opção de tratamento à Disfunção Erétil (DE), o Cialis, cujo principio ativo, tadalafil, é uma geração mais moderna do sildenfil (Viagra), que promete menos efeitos colaterais, mais rápido início de ação e manutenção de benefícios por até 24 horas.

Pelo que já conhecemos da segurança e dos benefícios do sildenafil, podemos crer que o tadalafil seja ainda mais seguro e eficiente, ainda devolvendo mais naturalidade ao ato sexual, uma vez que seu efeito será bastante prolongado, evitando assim o uso da medicação logo antes do sexo. Como seu antecessor, o tadalafil não aboliu a necessidade do estímulo sexual, fundamental para seu princípio ativo. Recentemente o FDA americano reconheceu os benefícios do tadalafil e autorizou a conclusão dos estudos sobre ele para finalmente permitir sua venda nos EUA.

O Cialis promete uma ação superior ao VIAGRA e já está à venda no Brasil, com receita médica.

Viagra:

O sildenafil já pode ser manipulado nas farmácias do Brasil.

 

Entrevista com Dr. Paulo Rocha à Agência Expressa Comunicação sobre os efeitos colaterais destas medicações

 
O Viagra, o Cialis e o Levitra são os remédios para disfunção erétil mais conhecidos. Existem outros? Todos esses medicamentos agem da mesma forma?

Não, apenas algumas destas substancias já podem ser manipuladas em doses diferentes da dose comercializada. O princípio de ação é o mesmo entre os três.

Já foi confirmada alguma relação do uso desses medicamentos com a cegueira? 

Quarenta e três relatórios foram recebidos pelo FDA, 38 casos relatados eram usuários do Viagra, 4 usavam Cialis e um usou Levitra, numa população estimada em 24 milhões de usuários destas substancias. Entretanto, ao Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) americano, são anualmente relatados de mil a seis mil novos casos deste tipo de cegueira repentina em idosos nos EUA, cujos fatores de risco principais são as doenças cardíacas e o diabetes.

Os casos conhecidos foram identificados por um órgão americano. Temos algum caso desse problema no Brasil?  

Não temos estatísticas neste sentido. Quando desenvolvemos o estudo do sildenafil aqui no Paraná entre 1996 e 1998, antes do lançamento do sildenafil como Viagra, ficamos sabendo da troca de cores (mais comum entre verde e azul) pela inibição, além da PDE-5 do mecanismo da ereção, da PDE-6, presente nas reações de fototransdução da retina. Este efeito é transitório e não leva à cegueira. Não tive até hoje, nenhum cliente com efeitos colaterais relacionados à visão.

As bulas dos medicamentos foram mudadas e agora incluem a possibilidade do paciente usuário do medicamento desenvolver a “Naion” (neuropatia óptica isquêmica anterior não-arterítica). Quais eram os outros efeitos colaterais que já existiam na bula?

A NAION é mais um dos possíveis efeitos colaterais desta classe de substâncias. É preciso frisar aqui que estes pacientes já estavam numa faixa etária de risco para a NAION e eram portadores de doenças crônicas, que também podem desencadear a NAION, como diabetes, hipertensão e outras doenças cardíacas, colesterol elevado, fumantes, sedentários, etc., causas estas também comuns de Disfunção Erétil (DE). É precoce imputar a estes medicamentos a NAION uma vez que outros medicamentos também são usados por este grupo de pessoas, com doenças crônicas. Os efeitos adversos mais comuns, relatados por clientes são a cefaléia, o rubor cutâneo facial, congestão nasal, dispepsia ou "gastrite", tonturas, anenjaculação. Na bula, encontramos outros, como a alteração visual,  diarréias, infecção urinária, exantema, etc.  A bula desta classe de medicações é extremamente completa e detalhada em relação aos cuidados e contra-indicações.

Os pacientes têm se mostrado mais preocupados ou têm diminuído o uso do medicamento por causa dessa suspeita?  

Como toda notícia sensacionalista, publicada por veículo de comunicação leigo, assusta os clientes que se vem obrigados a nos procurar novamente para esclarecer o problema.

Qual é a freqüência ideal de uso desses medicamentos? Uma dosagem exagerada pode ser a responsável por problemas como a Naion?  

A freqüência é estabelecida pelo próprio cliente, que é orientado a observar a dose máxima diária, que varia a cada produto e a necessidade do medicamento. Na manutenção do tratamento, vemos muitos clientes tendo uma atividade sexual  normal, com o uso espaçado do medicamento, que é o objetivo do tratamento, usar quando necessário.  O uso de doses acima do recomendado pelo médico, vai desencadear os efeitos adversos mais comuns, como a cefaléia, congestão nasal e a pirose (dispepsia) antes de melhorar a ereção. Assim, fica difícil exagerar nestas medicações, o que nos leva a crer que a NAION não é conseqüência de doses altas. É preciso ficar claro que condenamos o uso recreativo destas substancias, por homens sem queixa de DE, apenas para melhorar o desempenho.

Existem pesquisas sobre o número de usuários desses remédios no Brasil?  

O Brasil é o segundo maior mercado destes medicamentos, só perdendo em prescrições, para os EUA. Como a receita médica não é mais obrigatória, o que é condenado pela classe médica, estatísticas a respeito ficam prejudicadas.

O viagra pode causar cegueira?

A resposta é não. A droga isoladamente não causa cegueira e nenhum caso foi registrado no mundo.
Em relação às noticias envolvendo as substancias sildenafil, tadalafil e vardenafil e cegueira, são sensacionalistas e espero poder traquilizar os homens que utilizam estas medicações com indicação médica.
É importante esclarecer que, os fatos apurados nos EUA foram levantados pelo FDA que na análise atestou que não se pode imputar a estas drogas a causa da cegueira por falta de fluxo sanguíneo ao nervo ótico. Dos 43 casos, 38 eram usuários de sildenafil, 4 de tadalafila e 1 de vardenafila.
Na análise do FDA, os homens eram usuários das drogas por problemas de ereção ocasionados por doenças sistêmicas, como o diabetes, hipertensos, cardiopatas, aretriosclerose e dislipidemia (colesterol alto), além de sedentários, obesos, fumantes e alguns alcoólatras. Sem o uso das drogas aqui discutidas, os fatores citados já explicariam a ocorrência da cegueira, pois são os principais fatores de risco para a mesma. Resumindo, os homens acima dos 50 anos que usam viagra dividem os mesmos riscos para a cegueira repentina do adulto ou neuropatia ótica isquêmica (NOI) com os que não usam.
Assim, como não há registro de NOI em homens usuários de Viagra sem doença sistêmica, apenas a DE esperada para a idade, é ainda muito cedo para se associar tais drogas à NOI.
No Brasil, infelizmente estas drogas são vendidas sem necessidade de prescrição médica e muitas vezes utilizadas sem critério ou recreativamente, o que nos impede de ter estatísticas nacionais em relação ao caso.
Obviamente devem existir casos aqui no Brasil, mas que talvez não tenham sido associados às drogas.
Para se utilizar qualquer destas drogas por indivíduos sedentários, fumantes, diabéticos, cardiopatas, etc., orientamos a procurar um colega cardiologista para avaliar sua reserva cardíaca. O indivíduo que com o uso destas drogas obtém e mantém uma ereção completa, muitas vezes exageram na atividade sexual - física -  para a qual não estão preparados, o que pode resultar em mal estar, desmaios e se não socorrido, até em morte.